08
mar
09

Utopia

Além do Mar Tenebroso

Mergulhada nas brumas do oeste distante

És a Terra Prometida , o Paraíso Perdido

Riquezas inesgotáveis e natureza exuberante apresentas,

Indescritível beleza sob o calor tropical

Construiremos aqui um Novo Mundo

A Terra de Ninguém , em Lugar Nenhum

 

Eric Russel

In Memoriam : William Morris

06
ago
11

O ornitorrinco, a estrela e o telescópio

ENSAIO : O ornitorrinco, a estrela e o telescópio

Por : Herik Zorneck

1- Introdução

A taxonomia – ou ciência das classificações – é um tema recorrente nas mais diversas áreas do conhecimento.

O problema das classificações tem ocupado – ao longo dos séculos – algumas das mentes mais brilhantes de todos os tempos.

Começando por Aristóteles, e pelas classificações taxonômicas propriamente científicas de Lineu no século XVIII, passando pelas especulações epistemológicas de Immanuel Kant, e pelas contribuições de Emile Durkheim (“As Formas Elementares da Vida Religiosa”) e Claude Lévi-Strauss (“O Pensamento Selvagem”)  ao estudo das taxonomias populares, até chegar ao domínio da Química com o russo Mendeleiev e sua tabela periódica dos elementos.

Uma das características mais importantes da linguagem e do pensamento  é a de que utilizamos conceitos e categorias organizados em pares de oposições para descrever a realidade.

Através do uso de dicotomias, segmentamos o contínuo da realidade para dar sentido ao discurso.

Contudo, alguns objetos do mundo real desafiam nossas classificações (por não se enquadrarem bem em nenhuma categoria) e pertencem a uma espécie de “terra de ninguém” entre os conceitos, fazendo com que – muitas vezes – sejamos obrigados a repensar nossos paradigmas.

No domínio da astronomia, um desses objetos é conhecido pelo nome de anã marrom; um “objeto subestelar” de características bastante peculiares : grande demais para ser um planeta, porém sem massa suficiente para se tornar uma estrela, ele pode ser considerado como o elo perdido entre eles, ou como um tipo de ornitorrinco cósmico.

 

 

 

IMAGEM: ornitorrinco de pelúcia

_

” (…) o ornitorrinco não é horrível, mas prodigioso e providencial para pôr à prova uma teoria do conhecimento. À propósito, pela sua aparição muito remota no desenvolvimento das espécies, insinuo que não seja feito com pedaços de outros animais, mas que os outros animais é que são feitos dos seus pedaços (…) Para falar rapidamente, Kant não sabia nada sobre o ornitorrinco, paciência, mas o ornitorrinco, para resolver sua própria crise de identidade, deveria saber algo sobre Kant.” (trecho do livro “Kant e o ornitorrinco”, de Umberto Eco)

Continue lendo ‘O ornitorrinco, a estrela e o telescópio’

02
abr
10

Thomas Pynchon : O mestre da paranóia

” Não existe Literatura e nem Arte sem paranóia . Provavelmente não haveria nem mesmo Civilização . A paranóia é o mundo . É a tentativa de dar sentido ao que não tem … “

Thomas Pynchon

Thomas Pynchon

 

Pode parecer incrível , mas esse ” idiota com cara de bobo alegre ” é o maior escritor vivo atualmente, um dos expoentes da contracultura norte americana e da ” literatura pós moderna ” e autor de livros consagrados, tais como : ” O Arco Íris da Gravidade ” , ” V.”, ” Mason e Dixon ” e , mais recentemente  , ” Vício Inerente ” e  ” Against the Day ”  ( o último ainda sem tradução para o português ) .

Continue lendo ‘Thomas Pynchon : O mestre da paranóia’

08
mar
10

Sobre os fatores cósmicos que influenciam o clima da Terra

Herbert George Wells

Para discorrer sobre os movimentos da Terra pelo espaço que podem influenciar o clima do planeta, vou recorrer aos talentos literários de alguém bem melhor do que eu : trata-se de H.G. Wells , o mesmo autor de ” A Guerra dos Mundos “, superclássico da
literatura sci-fi, que provocou pânico na população americana , ao ser
radiotransmitido por Orson Welles, em 1938.
Ocorre que Wells, além de ótimo escritor , também foi um grande erudito e
divulgador da ciência, e escreveu , no ano de 1918, uma ” História Universal ” ( The outline of History: Being a Plain History of Life and Mankind ) destinada ao público leigo, em 3 volumes .
É da primeira parte dessa história universal , dedicada à “história natural” , que retirei o trecho a seguir :

Continue lendo ‘Sobre os fatores cósmicos que influenciam o clima da Terra’

02
out
09

Telescópio Kepler poderá detectar exoluas habitáveis

Exoluas habitáveis

010130090923-mundos-habitaveis-2
Desde o lançamento do Telescópio Espacial Kepler, no início deste ano, os astrônomos têm aguardado ansiosamente a primeira detecção de um planeta parecido com a Terra, orbitando outra estrela – veja Telescópio Espacial Kepler vai começar busca por outras Terras.
Agora, no que parece ser o eco de um filme de ficção científica, uma equipe de cientistas da Universidade College London, coordenada pelo Dr. David Kipping, acredita que será possível descobrir até mesmo “exoluas” – luas dos planetas extrassolares, também conhecidos como exoplanetas.

Continue lendo ‘Telescópio Kepler poderá detectar exoluas habitáveis’

02
out
09

Satélite CoRoT descobre novas “superterras”

Bol_2604_B

Pesquisadores ligados ao satélite CoRoT acabaram de anunciar a descoberta de um planeta fora do sistema solar (exoplaneta) que é rochoso assim como a Terra, Marte, Vênus e Mercúrio. De acordo com o professor Eduardo Janot Pacheco, do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas (IAG) da USP, trata-se da primeira descoberta do gênero e que só foi possível graças a união das pesquisas realizadas com o satélite franco-europeu-brasileiro CoRoT e o espectógrafo HARPS (High Accuracy Radial velocity Planet Searcher), do Observatório Europeu Austral (ESO).

Continue lendo ‘Satélite CoRoT descobre novas “superterras”’

14
jul
09

O Enigma do Espelho

Quando olho no espelho

Não me vejo

Há apenas um reflexo

E um insondável mistério

 

Porque quando olho no espelho

Meus olhos olhando pra mim

São duas pequenas esfinges

Fitando-me e dizendo assim :

 

– Decifra-nos ou devoramos-te !

E eu me vejo face a face

Mas não os decifro

E eles então devoram-me

20
jun
09

Receita para um oceano

 

A Terra tem um oceano . Sua bola de material sólido é coberta por uma película de umidade. No mínimo, trata-se de uma película pelos padrões planetários ; mas, ainda assim , tem até 11 Km de espessura . A superfície terrestre aflora através do oceano em alguns lugares ; mas continentes e ilhas compõem apenas 30 % da superfície global .

É esta uma situação comum ? Devemos nós esperar que todo planeta possua um oceano ? E será esse oceano um oceano de água , como o da Terra ?

Ou será um oceano uma coisa rara ?

Continue lendo ‘Receita para um oceano’




Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.